02/07/2019 às 20h28min - Atualizada em 02/07/2019 às 20h28min

Nova testemunha no caso Marielle, pescador diz que seu barco foi usado para jogar armas no mar

O Fato com Agência
RIO - Em depoimento à Delegacia de Homicídios (DH) da Capital, umpescador revelou que um aliado do PM reformado Ronnie Lessa , acusado de ser o assassino de Marielle Franco , contratou o seu barco e jogou seis armas no mar perto das Ilhas Tijucas. A polícia suspeita que, entre as armas estivesse a submetralhadora HK MP5 usada para matar a vereadora e o motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018.

A operação de desova do armamento ocorreu dias depois da prisão de Ronnie, em 12 de março deste ano , e teria contado com a participação de quatro pessoas: Márcio Montavano, o Márcio Gordo, suspeito de ter jogado as armas ao mar; a mulher de Lessa, Elaine de Figueiredo Lessa; o irmão dela, Bruno Figueiredo; e um homem chamado Josinaldo Freitas. Segundo as investigações, Márcio Gordo teria retirado as armas de dois endereços ligados ao acusado de matar Marielle, contratado o barco e jogado tudo no mar. Desde o fim de março, a polícia já realizava buscas no oceano com ajuda da Marinha .
FONTE:O GLOBO

A mulher de Lessa e o irmão dela prestaram depoimento à polícia nesta segunda-feira. Márcio Gordo e Josinaldo estão depondo nesta terça-feira na sede da DH, na Barra da Tijuca. A DH e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) são responsáveis pela investigação sobre o assassinato de Marielle e Anderson.

O pescador contou à Polícia que foi procurado por um homem, que chegou de táxi ao Quebra-Mar, dizendo que queria contratar uma embarcação para fazer pesca submarina perto das Ilhas Tijucas. O barco utilizado é de fibra de vidro, com cinco metros de extensão e motor de 40 HP.
 

O pescador disse que o homem aparentava ter entre 30 e 35 anos, era forte e tinha os braços cobertos por tatuagens. Ele carregava uma caixa de papelão pesada e uma mala grande, onde o barqueiro acreditava que estavam guardados arpões e material de pesca. Ao chegar “no meio das Ilhas Tijucas”, o homem retirou de uma mala os fuzis, um deles com bandoleira; e de uma caixa de papelão outras caixas menores, nas cores amarela e azul, e jogou tudo no mar. 
A polícia avalia que, embora o pescador tenha descrito que viu seis fuzis, a submetralhadora poderia estar na carga jogada ao mar, já que as diferenças entre os dois armamentos não são tão claras para um leigo.

O pescador, que havia acertado a viagem por R$ 60, disse que teve muito medo e não quis cobrar. Porém, na volta, sem dizer nada, o homem jogou R$ 300 dentro da embarcação e foi embora. No depoimento, o pescador disse que já havia visto o homem pelo menos uma vez num bar do Quebra-Mar. Ele disse que o episódio ocorreu no dia 14 ou 15 de março. 
A Marinha e o Corpo de Bombeiros chegaram a fazer buscas na região, com o uso de um sonar, mas os mergulhadores tiveram dificuldade de localizar objetos a 40 metros de profundidade e em meio a águas turvas.

 

O LOCAL INDICADO
Pescador diz que armas usadas no assassinato de Marielle podem ter sido jogadas ao mar, na região das ilhas Tijucas
BARRA DA TIJUCA
JOÁ
Quebra Mar
Cerca de 1,8 km
Ilha
do Meio
Ilha
Alfavaca
Arquipélago
das Tijucas
Ilha
Pontuda

 

 

A retirada das armas

A operação para se livrar do armamento teria acontecido horas antes de a polícia cumprir um mandado no local onde elas estavam armazenadas. Segundo os investigadores, na madrugada do dia 13 de março, três homens vestidos de policiais civis chegaram num Fiat Palio com placa clonada a um conjunto de prédios no Pechincha, em Jacarepaguá, um endereço ligado a Ronnie Lessa, no mesmo condomínio onde mora a sogra dele.

Como não apresentaram mandado de busca e apreensão, o síndico do prédio, que é militar, desconfiou e não permitiu a entrada. No entanto, mais tarde, por volta de 13h30m, um homem sozinho —  provavelmente Márcio Gordo —  conseguiu passar pela portaria e foi até o apartamento, de onde retirou a caixa e a mala.

Os policiais da DH chegaram logo depois com um mandado de busca e apreensão no prédio, mas não havia nada de valor no apartamento, só jornais espalhados pelo chão do imóvel.

Mulher de Lessa na mira da polícia

Os integrantes da quadrilha de Lessa foram gravados pelas câmeras de segurança do prédio saindo do apartamento às pressas, 30 minutos antes de a polícia chegar. 
Segundo os investigadores, é aqui que entra a participação da mulher de Lessa, que está na mira da especializada. Teria sido Elaine quem determinou a retirada da mala e da caixa que conteriam os armamentos. Se ficar provado que Elaine coordenou a ação a mando do marido, poderá responder pelo crime de obstrução de investigação de organização criminosa.

Embarcação da Marinha entre duas ilhas próximas ao Quebra-mar, na Barra, no fim de março deste ano. Pescador disse, em depoimento à políica, que foi pago para jogar armas na área Foto: Roberto Moreyra / Agência O Globo

Embarcação da Marinha entre duas ilhas próximas ao Quebra-mar, na Barra, no fim de março deste ano. Pescador disse, em depoimento à políica, que foi pago para jogar armas na área Foto: Roberto Moreyra / Agência O Globo


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »

Você é a favor da retirada da BRASKEM de Maceió?

79.4%
20.6%
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...