26/07/2021 às 21h07min - Atualizada em 26/07/2021 às 21h07min

Judeus condenam encontro entre Bolsonaro e neta de ministro de Hitler

Confederação Israelita do Brasil (Conib) repudiou a reunião realizada por Jair Bolsonaro com a deputada alemã Beatrix von Storch, do Alternativa para a Alemanha (AfD). "Trata-se de partido extremista, xenófobo, cujos líderes minimizam as atrocidades nazistas e o Holocausto", disse a Conib

247
O encontro de Beatrix von Storch e seu marido com Bolsonaro não foi incluído na agenda pública do presidente

Instituições judaicas no Brasil criticaram o encontro do presidente Jair Bolsonaro com a deputada alemã Beatrix von Storch. Ela é vice-presidente do partido AfD (Alternativa para a Alemanha), de extrema-direita, e neta de Lutz Graf Schwerin von Krosigk, ministro das Finanças de Adolf Hitler.

Trata-se de partido extremista, xenófobo, cujos líderes minimizam as atrocidades nazistas e o Holocausto”, disse em nota a Conib (Confederação Israelita do Brasil).
 

"A Conib lamenta a recepção dada a representante do partido Alternativa para a Alemanha (AfD) em Brasília. Trata-se de partido extremista, xenófobo, cujos líderes minimizam as atrocidades nazistas e o Holocausto. O Brasil é um país diverso, pluralista, que tem tradição de acolhimento a imigrantes. A Conib defende e busca representar a tolerância, a diversidade e a pluralidade que definem a nossa comunidade, valores estranhos a esse partido xenófobo e extremista”, diz um trecho da nota segundo o blog do jornalista Chico Alves, no UOL.

Beatrix von Storch é neta do ex-ministro das Finanças de Adolf Hitler, Schwerin von Krosigk. Ele foi responsável pelo confisco de propriedades de judeus durante o regime nzeista na Alemanha. A parlamentar também manteve encontros com os deputados Bia Kicis (PSL-DF) e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).
 

“A Conib defende e busca representar a tolerância, a diversidade e a pluralidade que definem a nossa comunidade, valores estranhos a esse partido xenófobo e extremista”, prosseguiu o texto.

A Conib é liderada pelo presidente do Conselho da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, Claudio Lottenberg. Ele foi próximo a Bolsonaro e participou de reunião do presidente com empresários em São Paulo em abril.

 

 

O coordenador-executivo do IBI (Instituto Brasil Israel), Rafael Kruchin, criticou a aproximação por causa das bandeiras do partido que Beatrix representa.

A AfD tem características xenófobas, supremacistas, contra imigração. Não é algo disputado internamente, é pacificado”, afirmou. Estudioso da política alemã, ele chamou o encontro de “abraço de afogados”.

A AfD está isolada e não conseguiu alianças internas no Parlamento. Bolsonaro está em seu pior momento. Tentaram mostrar alguma força externa ao se encontrarem, mas parece um abraço de afogados”, afirmou.

Um dos fundadores do grupo Judeus pela Democracia, Beni Iachana, chamou o encontro de “perigoso e inaceitável”.

O presidente do Brasil, seu filho e a presidente da CCJ, encontrarem uma deputada líder do partido de extrema-direita, xenófobo e nazista é algo que nos assusta, não apenas como judeus, mas também como brasileiros”, disse.

QUEM É A DEPUTADA

Beatrix von Storch é neta de Lutz Graf Schwerin von Krosigk, que foi ministro das Finanças durante o nazismo. Hoje, ela é vice-presidente do partido AfD (Alternativa para a Alemanha, na sigla em alemão).

A sigla, fundada em 2013, é considerada a mais conservadora do país e foi acusada diversas vezes por defender ideias negacionistas, racistas, antissemitas e xenófobas. Em março de 2021, a agência de inteligência da Alemanha colocou o partido em vigilância depois que o serviço secreto identificou uma série de violações da democracia e dos valores constitucionais do país.

Além disso, a própria Beatrix foi investigada em 2018 por publicações que incitavam o ódio contra os mulçumanos. As comunicações e movimentos da sigla estão sendo controlados pela Ação Federal para a Proteção da Constituição, agência de inteligência desenvolvida depois da Segunda Guerra Mundial com o objetivo de proteger o país da ascensão de políticas semelhantes ao nazismo.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »

Você é a favor da retirada da BRASKEM de Maceió?

81.8%
18.2%