03/12/2015 às 15h37min - Atualizada em 03/12/2015 às 15h37min

Votos já declarados no Conselho de Ética apontam 7 a 1 contra Cunha

O Fato com Jornal do Brasil

A depender dos votos já declarados pelos membros do Conselho de Ética da Câmara, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tem contra ele algo semelhante à derrota do Brasil para a Alemanha na Copa do Mundo: 7 deputados a favor da continuidade do processo de cassação de mandato e um parlamentar ao lado do peemedebista. 

Nesta quarta-feira (2), a partir das 14h, está prevista a votação dos 20 integrantes que compõem o Conselho de Ética. Até ontem, o relator do processo, deputado Fausto Pinato (PRB-SP), Betinho Gomes (PSDB-PE), Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS), Eliziane Gama (Rede-MA), Sandro Alex (PPS-PR), Marcos Rogério (PDT-RO) e Paulo Azi (DEM-BA) já haviam declarado voto contra Cunha. Wellington Roberto (PR-PB) colocou-se a favor.

Em sondagem recente, presidente da Câmara tinha cenário de empate entre os 20 membros

Em sondagem recente, presidente da Câmara tinha cenário de empate entre os 20 membros

Em sondagem recente, presidente da Câmara tinha cenário de empate entre os 20 membros

Os demais parlamentares que não declararam seus votos são: Ricardo Barros (PP-PR), Cacá Leão (PP-BA), Washington Reis (PMDB-RJ), Vinicius Gurgel (PR-AP), Mauro Lopes (PMDB-MG), Erivelton Santana (PSC-BA), Sérgio Brito (PSD-BA), Leo de Brito (PT-AC), Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), Zé Geraldo (PT-PA), Valmir Prascidelli (PT-SP) e Paulinho da Força (SD-SP).

A grande incógnita é o voto do PT. Os três deputados petistas podem definir o placar final, já que há uma forte tendência de empate entre os 20 membros. O resultado indefinido é decidido pelo voto de Minerva do presidente do órgão, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), que é a favor da admissibilidade e abertura de processo contra o presidente da Câmara.

Nos últimos dias, o debate deu-se em torno do voto petista. Se ele seria a chance de salvar a presidente Dilma Rousseff da abertura de processo de impeachment na Câmara ou se o PT ajudaria a afastar Eduardo Cunha, que enfrenta denúncias de lavagem de dinheiro e corrupção passiva, do comando da Casa.

Na noite de ontem, enquanto o Conselho estava reunido, o presidente do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, não apenas liberou o voto dos petistas, como estimulou que estes votassem pela admissibilidade. Em tese, a orientação desfavorece a relação da presidente da República com Cunha.

Na terça-feira, após seis horas de sessão, o conselho encerrou a reunião sem votar o parecer. Por volta das 20h30, com o início da sessão de votação do Congresso Nacional, o presidente do Conselho de Ética encerrou a sessão, já que o regimento interno do Congresso impede a deliberação em qualquer comissão da Câmara e do Senado durante as votações no plenário principal.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »

Você é a favor da retirada da BRASKEM de Maceió?

79.2%
20.8%
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...