01/04/2017 às 01h19min - Atualizada em 01/04/2017 às 01h19min

Manifestantes fazem marcha contra reformas de Michel Temer

O Fato com JB

Representantes de diversas categorias fazem um protesto na tarde desta sexta-feira (31), na Candelária, no Centro do Rio, contra as reformas da Previdência e trabalhista, propostas pelo governo Michel Temer. Centenas de pessoas ocupam a praça, com cartazes e bandeiras e gritos de “Fora Temer”. Bancários, professores, engenheiros, petroleiros, portuários, profissionais da área de saúde, estudantes e diversos profissionais de outras áreas apóiam o movimento. O ato também conta com apoio de partidos de esquerda e movimentos por moradia.

A professora da rede estadual, Adelita Ribeiro criticou duramente a aprovação da reforma da Previdência, que foi aprovada pelos deputados no último dia 22. Para a educadora, essa mudança só é positiva para patrões e principalmente para os banqueiros.

>> Centrais sindicais e movimentos sociais protestam contra reforma da Previdência

“Essa lei da terceirização, aprovada no último dia 22 é mais um duro golpe desse desgoverno contra a classe trabalhadora. Com essa mudança, o lucro dos patrões irá aumentar, principalmente o dos bancos”, reclamou a professora.

O ato foi organizado e contou com o apoio de movimentos e partidos de esquerda. O integrante da Frente da Esquerda Socialista (FES), Felipe Albuquerque Oliveira, lembrou da importância dos partidos de esquerda se unirem para conseguirem lançar um nome forte para as eleições de 2018. Para Felipe, a ideia de lançar novamente o nome de Lula na disputa está fadada ao fracasso, e diz que FES quer um nome que faça oposição à esse projeto de reeleger o petista.

“Nós da FES estamos batalhando por uma nova alternativa da esquerda no Brasil. A ideia é romper essa política de conciliação de classes, que já nos trouxe muitas derrotas, e quer ser repetido com essa possível candidatura do Lula em 2018. O que nós precisamos é de um novo bloco político alternativo e que faça oposição ao projeto de reeleger o Lula”, disse.

Já o integrante do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro (BancáRio), Luis Cláudio Fonseca, a aprovação da reforma tira o direito dos trabalhadores, aumenta o das empresas, e essa matemática pode levar à extinção de muitas classes trabalhadoras.

“A aprovação dessa proposta absurda dá às empresas o direito de demitir todos os seus funcionários e substituí-los por empregados de firmas terceirizadas com menos direitos, menores salários com jornadas maiores. Isso pode levar à extinção de diversas categorias de trabalhadores”, explicou o manifestante.

O estudante de Direito da Uerj, Pedro Antunes, lamentou a aprovação e se mostrou preocupado com o futuro do funcionalismo público, já que, segundo ele, a mudança de lei na Previdência pode acabar com alguns concursos.

“A reforma da Previdência é o mais novo absurdo no país dos absurdos. Ela joga na lata do lixo os pequenos direitos conquistados pelos trabalhadores com a CLT, além de aniquilar concursos e serviços públicos”, alertou o estudante.

Os manifestantes estão organizando uma greve geral para o próximo dia 28 de abril, com apoio dos movimentos de esquerda, o integrante da CUT, Josiel Ricardo de Souza, garante que a paralisação do final do mês irá pressionar o governo e mostrar que a população é contrária a essas mudanças.

Nós estamos na linha de frente da mobilização. E apoiando uma greve geral marcada para o dia 28 de abril, para pressionar esse governo golpista contra essas reformas descabidas propostas e aprovadas por Michel Temer e sua corja”, bradou.


Link
Notícias Relacionadas »

Você é a favor da retirada da BRASKEM de Maceió?

79.2%
20.8%
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...