06/12/2016 às 01h32min - Atualizada em 06/12/2016 às 01h32min

Afastamento de Renan da Presidência do Senado causa apreensão no Planalto

Votação da PEC do teto dos gastos, prioridade do governo, passa a ser "incógnita"

O Fato com Agência

BRASÍLIA - O afastamento de Renan Calheiros da Presidência do Senado deixou o Palácio do Planalto em clima de apreensão. O governo esperava finalizar a aprovação da PEC do teto de gastos dia 13, terça-feira da próxima semana. Com a queda de Renan, quem assume o comando do Senado interinamente é o petista Jorge Viana (AC).

 

Um interlocutor do presidente Michel Temer disse que a votação passou a ser "uma incógnita". Para evitar que o projeto não seja pautado, Temer deverá pedir aos senadores Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Congresso, e Eunício OLiveira (PMDB-CE), líder do partido no Senado, que conversem com Viana para ver o que ele pretende fazer.

Temer ficou sabendo do afastamento de Renan após a reunião com líderes aliados para apresentar a reforma da Previdência.

Oficialmente, o governo está tratando com naturalidade a agenda de votações no Congresso. Jucá afirmou que, independentemente de quem estiver presidindo o Senado, a PEC do teto será votada porque há acordo dos líderes.

- O senador Jorge Viana é íntegro, trabalhador e comprometido com o país. Se o presidente Renan não presidir e ele assumir, não haverá diferença na condução. Temos um acordo assinado dos líderes, um calendário social. A palavra dos senadores foi dada no processo de votação para a sociedade. E isso vai ser mantido quem quer que esteja presidindo a sessão - afirmou Jucá.

Quanto ao projeto de abuso de autoridade, que seria pautado amanhã por Renan e virou alvo de novo conflito entre ele e Temer, não deverá ser votado.

O Globo


Link
Notícias Relacionadas »

Você é a favor da retirada da BRASKEM de Maceió?

80.0%
20.0%
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...